Jornal Simpatia de Caçapava e Região

Rua José Germano, 430 - Residencial Esperança, Caçapava - SP. CEP: 12.285-460

Falando em letras

Falando em letras - 16/08/2019

Curiosidade

Blitz

Essa palavra tem a origem alemã e significa “batida policial de improviso e que utiliza grande aparato bélico”. E sabe qual é seu plural? Blitze. Exemplo: Naquela noite, ocorreram duas blitze perto de casa.


Gramática

Biotipo ou biótipo?

A regra é clara: a palavra é proparoxítona, logo, deve ser pronunciada como tal; assim, o correto é dizer biótipo e não biotipo. Porém, as pessoas vêm pronunciando tanto a palavra sem o acento que alguns dicionários já registram a forma paroxítona como a forma variante prosódica (relacionada à fala).


Buxo (X) ou com bucho (CH)?

E agora? Será que uma está errada ou ambas estão corretas? Vamos lá! Segundo os professores José de Nicola e Ernani Terra, as duas palavras existem e têm significados diferentes. Buxo, com X, significa pequeno arbusto. Bucho, com CH, é o...

Publicação: 15/08/2019 17:39:32 - Leia mais Faça um comentário

Falando em letras - 16/08/2019

Curiosidade

Blitz

Essa palavra tem a origem alemã e significa “batida policial de improviso e que utiliza grande aparato bélico”. E sabe qual é seu plural? Blitze. Exemplo: Naquela noite, ocorreram duas blitze perto de casa.


Gramática

Biotipo ou biótipo?

A regra é clara: a palavra é proparoxítona, logo, deve ser pronunciada como tal; assim, o correto é dizer biótipo e não biotipo. Porém, as pessoas vêm pronunciando tanto a palavra sem o acento que alguns dicionários já registram a forma paroxítona como a forma variante prosódica (relacionada à fala).


Buxo (X) ou com bucho (CH)?

E agora? Será que uma está errada ou ambas estão corretas? Vamos lá! Segundo os professores José de Nicola e Ernani Terra, as duas palavras existem e têm significados diferentes. Buxo, com X, significa pequeno arbusto. Bucho, com CH, é o...

Publicação: 15/08/2019 17:39:30 - Leia mais Faça um comentário

Falando em letras - 09/08/2019

Curiosidade

Morte morrida ou morta matada

Ambas as expressões estão erradas, mas, semanticamente, elas fazem sentido. Por quê? Uma das frases significa que a morte ocorreu de forma natural (morte morrida), e não de forma assassinada, por motivo de violência, forçada (morte matada).


Gramática

Independente x independentemente, quando usar?

“Independente” é adjetivo; portanto, use-o para qualificar; exemplo: O jornal é independente (livre). Explicando: adjetivo qualifica um sujeito, isto é, modifica um nome, um substantivo. “Independentemente” é advérbio, modifica um verbo (“ad” = junto; “vérbio” = verbo); então, vem junto do verbo; assim, é usada em contextos de modificação de oração; exemplo: Independentemente do tempo, irei ao jornal hoje. Independentemente do que pensem, irei continuar a governar o país. Resumindo: se for alterar a ação, use...

Publicação: 08/08/2019 16:31:33 - Leia mais Faça um comentário

Falando em letras - 02/08/2019

Curiosidade

Quase um assobio

Piauiense é a palavra que reúne o maior número de vogais em sequência. Em nossa língua, são mais comuns palavras com duas (raiva) e três vogais (teia, iguais); com cinco, apenas no Piauí.


Gramática

Reticências depois de ETC.

Não se usa reticências (aqueles três pontinhos finais juntos, um do lado do outro) depois da expressão ETC. E é justamente porque, na prática, as duas formas significam o mesmo: e outras coisas. Portanto, quando for escrever utilize as “reticências” ou apenas o “etc.” (com ponto final).


“Só” e “a sós”

Ao contrário do adjetivo “só”, que varia em número (Ele está só / Eles estão sós), o advérbio “só” (o mesmo que “somente”) e a locução adverbial “a sós” não variam. Exemplos: Só estou fazendo graça / Gostaria de ficar a sós com você por alguns...

Publicação: 01/08/2019 19:58:39 - Leia mais Faça um comentário

Falando em letras - 26/07/2019

Curiosidade

O que seria a palavra “diacrítico”?

Não é um xingamento, caro leitor. O termo é o nome do sinal gráfico que serve para diferenciar letras ou palavras, ou seja, é o nome que damos aos sinais de acentuação, usados para mudar o som das palavras, como os acentos gráficos, o til, o cedilha e o trema (abolido no novo acordo).


Gramática

Agravante: feminino ou masculino?

Quem nunca ficou na dúvida se é “A” agravante ou “O” agravante? Então, no sentido de “que aumenta a gravidade”, a palavra é substantivo feminino. Exemplo: Ele foi mal na prova, e com uma agravante: ainda colou. Porém, na linguagem jurídica, para designar “aquele que interpõe um recurso, denominado agravo”, é substantivo de dois gêneros, ou seja: o agravante (quando quem interpõe o recurso é do sexo masculino), a agravante (quando é o do sexo feminino).


Alcorão

O nome do livro sagrado do Islamismo deve ser grafado...

Publicação: 25/07/2019 18:29:22 - Leia mais Faça um comentário

Falando em letras

Curiosidade

A língua tupi

Na língua tupi o verbo não expressa tempo. Isso quer dizer que existe o tempo do substantivo. Para isso, usam-se os sufixos RAMA (futuro, promissor, que vai ser), PÛERA (passado, velho, superado, que já foi). Exemplos: “Ybyrá” (significa “árvore”); logo, quando jovem, se diz “Ybyrárama” (sentido de “muda”); se for uma árvore velha, envelhecida, dizemos “Ybyrápûera” (a ex-árvore, a árvore que já foi). Então, o Parque Ibirapuera (SP) significa tronco velho, árvore velha.


Asterístico ou asterisco?

Aquele sinalzinho gráfico em forma de estrela, que a gente costuma utilizar para ressaltar algo ou para fazer uma lista, denomina-se “asterisco” (do grego: asterískos – com K –, e traduzindo significa: estrelinha). Portanto, não diga asterístico, mas asterisco (e sem acento no “i”).


Gramática

Ambos os dois

Quem nunca ouviu essa expressão? Embora seja utilizada,...

Publicação: 18/07/2019 18:35:51 - Leia mais Faça um comentário

A passividade em tempos estranhos

Vivemos em tempos bem estranhos. Alguns diriam ser tempos sombrios; outros arriscariam dizer que são anos positivos, vindouros, venturosos. Positivo ou não, um fato é certo: são tempos de pura inverdade ou, pelo menos, de duvidar de tudo e de todos. E coloque nessa canja as fake News, as teorias evolucionistas, o homem ter pisado na Lua, entre outros assuntos. Outro dia mesmo, encontrei um rapaz numa pousada em que me hospedei e ele me contava sobre como não acredita que o homem pisou na Lua, além de não acreditar que somos tanta gente assim no planeta e de que a água não irá acabar. Enfim, seus argumentos eram, até, válidos, mas ele me mostrou que, com a tecnologia, é possível se duvidar de tudo. E onde entra a mídia nisso tudo?

Bom, a mídia já não é aquela velha confiável, que todo neto faz questão de sentar do lado e ouvir suas histórias, tomando cada aventura como verdade. A mídia, principalmente depois da internet, iniciou uma guerra desleal:...

Publicação: 11/07/2019 18:42:06 - Leia mais Faça um comentário

Na frente do hospital

Como é estranho passar na frente do hospital em que meu tio morreu. Mesmo que meu olhar seja oblíquo, de lado, meio que sem querer olhar, chega a me dar um vazio, um quê de impotência e de remorso misturados, por não poder tê-lo visto antes de o esquecerem a sete palmos debaixo da terra. Eu sei que não acompanhei todo o processo de sua entrada no Céu, cumprimentando São Pedro com uma de suas histórias engraçadas (com certeza, ele arrancaria boas risadas das almas de lá!).

Quando eu soube de sua partida, minha família e eu fomos para Diadema, cidade na grande São Paulo (mais especificamente o ABC), acompanhar seu velório e o enterro. Lembro de meu pai me acordando num domingo bem cedo, abrindo a porta num espanto, rapidamente, e dizer com pesar numa fala lenta e engasgada a triste notícia de que meu tio tinha sido convocado para jogar na seleção de Deus.

Só o que nos restou foi consolar minha tia, mas, nesses momentos, que palavras trazem conforto,...

Publicação: 04/07/2019 17:38:07 - Leia mais Faça um comentário

Escrever se aprende escrevendo e... lendo!

Desde a última semana, tenho pensado sobre como inaugurar minha coluna no “Jornal Simpatia”. E, por ser uma atividade voltada para a escrita, com toda a certeza, isso me deixou preocupado. Inclusive, pensei em tratar sobre o maior escritor brasileiro de todos os tempos: Machado de Assis. Porém, muitos, quando ouvem o nome dele, já empinam o nariz e torcem o pescoço, por considerá-lo enfastiante. Dessa maneira, resolvi tratar, neste primeiro texto, exatamente sobre aquilo que me causou tremor nos últimos dias: a arte de escrever.

Escrever não é uma tarefa fácil. Sendo assim, não basta apenas segurar um lápis ou uma caneta e sentar-se diante do papel. Além disso, um texto não é feito somente de ideias, sejam boas, sejam ruins. Dessa forma, sabe-se que o ideal é ler bastante antes de pincelar as primeiras letras. Isso é o que dizem professores e teóricos de redação espalhados por todo o país. E pode até parecer clichê, mas a verdade é esta: quem...

Publicação: 27/06/2019 19:11:59 - Leia mais Faça um comentário