Falando em letras - 29/05/2020

Curiosidade

Palavras aportuguesadas que não usamos: “roque (rock)”

Entre tantas palavras que já apresentam sua versão adaptada à língua portuguesa está “rock”. A tradução do inglês é pedra. Porém, há uma versão aportuguesada: roque, que não é utilizada, exceto para o nome do personagem Roque Santeiro ou mesmo para o auxiliar de palco de Silvio Santos, o famoso Roqueeeeeee...


Gramática

Macérrimo

Embora as formas “magérrimo” e “magríssimo” sejam as mais populares, uma pessoa muito magra é considerada macérrima. Logo, prefira usar essa forma correta gramaticalmente.


Madagáscar

Quem nunca falou “Madagascár”? No entanto, essa palavra é paroxítona terminada em -r (a sílaba tônica é gás), portanto é acentuada graficamente e na penúltima sílaba. O adjetivo pátrio correspondente é malgaxe.


Madama/madame

Madame é um galicismo (vocábulo próprio da língua francesa e utilizada em outro idioma). Em bom português, pode dizer, sem passar vergonha, madama, forma, aliás, aceita pelo Volp.

 

Dica de livro

A dica de livro desta semana é “Se eu fechar os olhos agora”, de Edney Silvestre. A obra traz uma linguagem semelhante a um roteiro de cinema, não é à toa que virou minissérie de televisão. A narrativa tem como principal ação a investigação de um assassinato descoberto por dois meninos de 12 anos. As condições em que o corpo foi encontrado chocaram os meninos, fazendo-os se interessarem pelo o que aconteceu com a vítima. Eles são auxiliados por um senhor que mora no asilo da cidade, um ex-preso político da ditatura Vargas. Aos poucos, os meninos e o senhor descobrem que a cidade inteira está envolvida na morte da personagem misteriosa. “Se eu fechar os olhos agora” é o livro de estreia de Edney Silvestre na literatura. Sua experiência jornalística auxilia na construção de uma trama eletrizante e comovente, passeando por gêneros distintos, como o policial, o histórico e o romance de formação. A obra levou seis anos para ficar pronta e é uma leitura vertiginosa da sociedade brasileira e seu comportamento social e psicológico diante de um fato que envolve ambição, status e poder. 

Falando em letras - 22/05/2020

Curiosidade

Palavras que não usávamos nos anos 1990: “videoconferência”

Chegamos à última palavra de nossa curiosidade. Podemos dizer que videoconferência significa “teleconferência que permite, além da transmissão da palavra e de documentos gráficos, a de imagens animadas dos participantes”. Com o advento da informática e da internet, esse tipo de comunicação tornou-se mais comum, diminuindo as distâncias entre as pessoas.


Gramática

Louva-a-deus

O nome do inseto vem de sua postura, bem característica, como se colocasse a rezar: louva (do ato de louvar) + preposição A + substantivo próprio Deus. No substantivo composto, a palavra Deus perde sua característica de nome próprio e passa a ser escrita com inicial minúscula. Por isso, apresenta uma única forma para o singular e para o plural, alterando-se apenas o artigo: o louva-a-deus / os louva-a-deus.


Lúcifer

Palavra que vem do latim lux, que significa luz. Além disso, é proparoxítona, por isso é acentuada graficamente em sua sílaba tônica lú (Lú-ci-fer – a antepenúltima sílaba). O plural é Lucíferes, alterando seu acento para a sílaba cí.


Luso

Luso é a forma reduzida que se emprega como primeiro elemento nos adjetivos compostos para designar português. Exemplo: tratado luso-brasileiro (tratado entre Portugal e Brasil).


Dica de livro

Está é uma obra de ficção com drama verdadeiro. Nesta narrativa, a primeira escrita e publicada por Toni C., o leitor estabelecerá um contato quase autobiográfico com o Hip-Hop. O romance é narrado em terceira pessoa, apresenta uma linguagem informal e o ritmo de um bom Rap. O Hip-Hop aparece com o alterego de Hian e faz o leitor refletir a respeito do movimento, seu significado hoje e sua importância. A obra cumpre com sua proposta: leva a história do movimento Hip-Hop no Brasil e suas influências internacionais a todo o tipo de público. Além disso, o texto traz elementos adicionais até mesmo para os mais aficionados no assunto. Contudo, também cumpre com a função de ser uma espécie de guia, de introdução para quem quer se aventurar, descobrir, desbravar mais sobre essa cultura tão rica e presente na vida de muitas pessoas. Este livro traz, ainda, 28 fotos de ícones do Hip-Hop brasileiro.

Falando em letras - 15/05/2020

Curiosidade

Palavras que não usávamos nos anos 1990: “transgênico”

Esse vocábulo já causou inúmeras polêmicas desde sua primeira aparição. “Transgênico” significa, no campo das ciências biológicas, “que foi acrescentado ou retirado um ou mais genes”. Também se diz “do ser, geralmente planta, a que foi alterado o código genético”, ou seja, quando há alguma transformação (por isso o prefixo “trans”) de algo ou indivíduo.


Gramática

Lembrar

O verbo lembrar é transitivo direto quando não está junto de um pronome (lembrar algo); porém, quando está acompanhado de um pronome ele passa a ser transitivo indireto (lembrar-se de algo). Exemplos: Lembro aquela homenagem e me emociono. | Lembro-me daquela homenagem e me emociono.


Lêvedo

É um fungo usado na produção de cerveja, apresenta a sílaba tônica na antepenúltima sílaba. Por isso, é uma proparoxítona, recebe, portanto, acento gráfico. No entanto, ocorre que, no Brasil, a pronúncia recorrente é levedo (ve = paroxítona). E essa forma de se falar já está, inclusive, adotada pelo VOLP.


Li a notícia em O Estado de S. Paulo

Não devemos, nunca, unir a preposição com o artigo que integra nomes próprios, ou seja, quando o artigo faz parte do nome, como ocorre, em muitos casos, com revistas, jornais, canais de televisão, obras literárias etc. Exemplos: Li a notícia em O Estado de S. Paulo (e não NO) | A nota foi publicada em O Globo (em vez de NO).


Dica de livro

Lançado pela primeira vez em 1937, “Capitães da Areia” escandalizou os leitores: várias cópias do livro foram queimadas em praça pública, por força do Estado Novo. Após setenta anos, a história não perdeu seu caráter atual, muito pelo contrário, toda a trajetória de meninos urbanos pobres e infratores ganhou contornos trágicos e urgentes. Muitas gerações sofreram o impacto e a sedução dos personagens que moram num trapiche abandonado no areal do cais de Salvador, vivendo à margem das convenções sociais. Tido por alguns teóricos como um romance de formação, a obra nos torna íntimos de suas pequenas criaturas, cada uma delas com suas carências e suas ambições: desde o líder Pedro Bala ao religioso Pirulito, passando pelo ressentido e cruel Sem-Pernas até chegar ao aprendiz de cafetão Gato, sem deixar de lado o sensato Professor e o rústico sertanejo Volta Seca. Enfim, com uma narrativa forte, Jorge Amado nos aproxima de garotos que contagiam com seu desejo de liberdade.

Falando em letras - 08/05/2020

Curiosidade

Palavras que não usávamos nos anos 1990: “sustentabilidade”

“Qualidade ou condição do que é sustentável”, mas também “modelo de sistema que tem condições para se manter ou conservar”. É um termo muito empregado nos discursos políticos e empresariais. Tem relação com o meio ambiente e um modo de vida que não gera agressão à natureza.


Gramática

Itens

Nessa palavra não ocorre o acento gráfico. Sendo assim, a forma correta é: itens. O mesmo acontece com a palavra no singular: item.


Lama (o/a)

O substantivo masculino, de origem tibetana, designa o sacerdote budista. Exemplo: O lama demonstrava uma sabedoria de séculos. Já o substantivo feminino, de origem latina, designa o “lodo”, sem sentido denotativo, ou “baixeza”, “degradação”, em sentido conotativo. Exemplos: A lama invadiu as casas da parte baixa da cidade. | A corrupção atirou sua honra na lama. 


Lebre

Trata-se de substantivo feminino (a lebre). O masculino é lebrão. Os verbos onomatopaicos que correspondem à voz da lebre são assobiar, guinchar ou chiar.


Dica de livro

Publicado em 1982, é um relato do acidente que deixou Marcelo tetraplégico. Jovem de classe média alta, vida boa, muitas namoradas, estudante de Engenharia Agrícola na Unicamp, ele vê sua vida se transformar num pesadelo em questão de segundos. Durante um passeio, Marcelo, de farra, resolve dar um mergulho no lago. Meio metro de profundidade. Uma vértebra quebrada. O corpo não responde. Começa ali a história de “Feliz Ano Velho”. A partir do acidente, Marcelo vê sua vida mudar radicalmente. Seus dias no hospital, as visitas que recebeu, as histórias que viveu são relatadas sob uma nova perspectiva: a de um jovem que sempre fez tudo o que podia e queria, e que agora vê-se impotente diante dos acontecimentos, dependendo da ajuda de amigos e familiares. O autor confere à narrativa a mesma energia e o mesmo fôlego com que transpôs a armadilha do destino. Imóvel numa cama, Marcelo dá asas às lembranças e à imaginação. Foi uma recuperação lenta e dolorosa: dias intermináveis na UTI, colete de ferro, descoberta de que a cadeira de rodas seria a extensão do seu corpo, momentos em que chegou a pensar no suicídio. Apesar do tema trágico, “Feliz Ano Velho” tem humor, ternura e erotismo. O acidente no lago seria o segundo tranco na vida do garoto. O primeiro foi aos 11 anos: o “desaparecimento” do pai – o ex-deputado federal Rubens Paiva – pela ditadura militar.

Falando em letras - 01/05/2020

Curiosidade

Palavras que não usávamos nos anos 1990: “Probiótico”

Na linha das preocupações com a saúde e o corpo, os “probióticos” entraram no léxico. Um “probiótico” trata-se então de uma “substância que contém organismos vivos favoráveis à saúde, quando tomado em doses certas, e que integra sobretudo a composição de produtos lácteos ou de suplementos alimentares”. Apareceu com a tendência de olhar os alimentos como medicamentos.


Gramática

Intervim / interveio

Cuidado com esse verbo. Intervir é derivado de vir e, portanto, se conjuga como ele. Exemplo: Eu vim – eu intervim / Ele veio – ele interveio.


Irrequieto

Atenção para a grafia e pronúncia desta palavra: irrequieto e não irriquieto. Da mesma forma, as palavras dela derivadas: irrequietude, irrequietação, irrequietabilidade. 


Ítalo

Ítalo é a forma reduzida que se emprega como primeiro elemento nos adjetivos compostos para designar italiano. Exemplo: Tratado ítalo-brasileiro (tratado entre a Itália e o Brasil).


Dica de livro


O livro “Capão pecado” não é apenas um cartão-postal do fim do mundo, ou do que poderíamos chamar de fim do mundo; a obra é muito mais do que isso, é um divisor de águas. Foi com essa narrativa que Ferréz apareceu na literatura, ao provocar o leitor por revelar o cotidiano da periferia. Essa obra é um exemplo de literatura oral, com escrita rápida, espontânea, crua e seca. Além disso, o romance mostra o amor que nasce escondido e cresce proibido, colocando em xeque a amizade de dois rapazes que convivem com a violência do bairro do Capão Redondo, em São Paulo. O livro foi escrito para a periferia e tem aí o seu maior trunfo – foi a partir dela, onde circula até hoje de mão em mão, que chegou até a classe média e para milhares de escolas. Considerado um dos livros mais importantes da literatura marginal, “Capão pecado” fez do autor, Ferréz, uma referência da luta por uma voz que sempre fala, mas nunca é ouvida. E agora pode ser lida. E para deixar claro sua importância para a literatura brasileira, Marcelo Rubens Paiva defende que a obra é “um retrato do lado 'sem lei' da grande cidade, em que as pessoas querem trabalhar, amar, dançar, nadar no lago, ouvir um som, jogar games, bater uma bola, e temem acordar no dia seguinte com uma ou mais balas alojadas no corpo [...]. Um livro que causa espanto”.

Falando em letras - 24/04/2020

Curiosidade

Palavras que não usávamos nos anos 1990: “Hostel”

Esse vocábulo é um substantivo masculino que traduzido significa “estabelecimento que fornece serviços de alojamento, em quartos privados ou coletivos a preços inferiores aos de um hotel”. É proveniente do inglês, “hostel”, que também significa “albergue”. (Outras palavras que seguem a mesma linha de palavras relacionadas ao turismo em uso desde os anos 1990, poderíamos ter escolhido também os vocábulos “gourmet”, “lounge”, “vintage”.)


Gramática

Incontinente / incontinenti

Incontinente significa sem continência, imoderado; já incontinenti tem sentido de imediatamente, sem demora. Exemplos: Meu tio tem incontinência urinária. | Seja incontinenti, venha logo.


Inflação / infração

Inflação refere-se a uma situação econômica caracterizada por uma alta geral de preços combinada a um baixo poder aquisitivo da moeda. O seu antônimo é deflação. Exemplo: A inflação deste mês chegou a 10%. Já o termo infração refere-se ao ato ou efeito de infringir, ou seja, de violar, desrespeitar uma lei, uma ordem, uma convenção. Exemplo: Não respeitar a faixa de pedestres é grave infração de trânsito. 


Infligir / infringir

Infligir significa aplicar pena ou castigo; já infringir tem o sentido de transgredir, desrespeitar. Exemplos: O juiz infligiu o réu no julgamento. | O cidadão infringiu as regras.


Dica de livro


Essa coletânea de poemas reúne textos poéticos que vão de Caetano Veloso a Sophia de Mello Breyner Andresen, de Manoel de Barros a Fernando Pessoa. São dezenove nomes importantíssimos da poesia de língua portuguesa e, de certa forma, o livro faz uma espécie de mapeamento da poesia dos séculos XX e XXI; além disso, os poemas presentes nessa obra são destinados aos jovens. O livro se divide em quatro partes: 1ª) “O verbo ser e outros verbos”, que traz uma perspectiva do homem no tempo; 2ª) “Não sei se isto é amor e outras dúvidas”, na qual o amor é o tema; 3ª) “Na ribeira deste rio e outras paisagens”, em que os poemas voltam-se para a natureza e as coisas; 4ª) “Não-coisa e outras coisas”, onde tudo se confunde com a poesia, e faz-se uma espécie de reflexão sobre a existência, o mundo, os sentimentos e o cotidiano. A obra ainda traz um traço bem-humorado e irônico de Fábio Zimbres, provocando um diálogo entre palavra e imagem, aspecto conhecido dos estudantes.

Falando em letras - 17/04/2020

Curiosidade

Palavras que não usávamos nos anos 1990: “GPS”

Uma das palavras que não usávamos nos anos 1990 é o termo GPS, sigla que em português significa “sistema de posicionamento global”. Trata-se de um “sistema que, através de um conjunto de satélites, fornece a um aparelho móvel a sua posição em relação às coordenadas terrestres.” Agora, só se perde quem quer, não sabe o que é GPS ou, ainda, não quer ser incluído na era digital (como os saudosistas da época em que se perguntava como se faz para chegar a tal lugar e tinha que decorar o caminho). 


Gramática

Implicar

Quando empregado no sentido de “acarretar”, “trazer como consequência” exige complemento sem preposição. Exemplos: Sua atitude implicará demissão (assim é errado Sua atitude implicará EM demissão). Tal procedimento implicará anulação da prova (e não Tal procedimento implicará EM/NA anulação da prova).


Incerto / inserto

Incerto: não certo, indeterminado; inserto: significa introduzido, inserido. Exemplos: É incerto dizer se ele praticou os crimes. | O documento foi inserto nos autos. 


Incipiente / insipiente

Incipiente: significa principiante, que está no começo; insipiente: tem o sentido de ignorante, imprudente. Exemplos: Como só agora adquiriu um computador, é incipiente em informática. | Jamais conseguia convencer alguém, pois suas atitudes eram de uma pessoa insipiente. 


Dica de livro

Publicado em 1930, “Alguma poesia” é a estreia de Carlos Drummond de Andrade, com 28 anos, na poesia. Com poemas como “Poema de sete faces”, “Infância”, “No meio do caminho”, “O sobrevivente”, entre outros, o livro monstra a maturidade do poeta. Além de causar polêmica, “Alguma poesia” apresenta o que de melhor Drummond ofereceu ao longo dos 60 anos de carreira literária: lirismo, humor, tom meditativo e irônico, observação desencantada dos fatos, sensualismo e reflexão aguda sobre o amor e a morte. A leitura da obra é uma grande oportunidade de entrar em contato com o maior poeta brasileiro de todos os tempos. Ademais, ler Drummond, principalmente seu primeiro livro, é uma chance de reencontro com o passado e, ao mesmo tempo, uma reflexão sobre o tempo presente, uma vez que o poeta nos traz situações e questionamentos a respeito do ser humano moderno e contemporâneo, inserido numa época repleta de transformações.

Falando em letras - 10/04/2020

Curiosidade

Palavras que não usávamos nos anos 1990: “light”

Pouco se falaria em produtos light em 1990. Diz o dicionário: “que tem um valor calórico mais baixo do que outros alimentos do mesmo gênero” ou “que tem um teor alcoólico mais baixo do que outras bebidas do mesmo gênero”. No sentido figurado e pejorativo, “light” corresponde a algo “que evita ou ignora os aspectos mais complexos de determinada questão”, ou seja, “é uma abordagem suave, atenuada ou pouco profunda a determinado tema que geralmente não é tratado dessa forma”. Numa palavra: “leve”.

Gramática

Hum

É comum, no preenchimento de cheques ou outros documentos contábeis, a grafia hum para o numeral cardinal um. Trata-se de um equívoco injustificável. O numeral cardinal admite apenas a forma um. Por outro lado, existe a palavra hum: trata-se de uma interjeição e, geralmente, indica desconfiança, impaciência, dúvida: Hum! Isto me cheira a trapaça.

História ou história

Como substantivo comum (grafa-se com letra minúscula) refere-se a qualquer tipo de narrativa, seja de fatos, seja de ficção. Exemplos: As histórias de Machado de Assis são análises do comportamento humano. | A história refere-se a ti, apenas o nome está mudado (Horácio).

Com inicial maiúscula, designa a ciência: Dizem que a História é a mestra da vida (Mário da Silva Brito). | A História do Brasil é diferente dos países latino-americanos.


Hindu / indiano

Deve-se empregar a forma hindu para designar o adepto do hinduísmo e a forma indiano para designar  natural da Índia.

Dica de livro

“O vendedor de passados” narra a história de um albino que mora em Luanda, Angola (África), e faz árvores genealógicas em troca de dinheiro. Um estranho ofício para um estranho personagem (protagonista) – o vendedor de passados falsos, Félix Ventura – e mais estranho ainda é o narrador – uma osga, um tipo de lagartixa. É ela que vai contar como o albino Félix cria uma genealogia de luxo para seus clientes – prósperos empresários, políticos e generais da emergente burguesia angolana que têm futuro assegurado, mas falta-lhes um bom passado. A vida de Félix anda muito bem, até receber a visita de um estrangeiro à procura de uma identidade angolana. E, então, numa vertigem, o passado irrompe pelo presente e o impossível começa a acontecer. Esta sátira à atual sociedade angolana é uma reflexão sobre a construção da memória e seus equívocos.

Falando em letras - 03/04/2020

Curiosidade

Palavras que não usávamos nos anos 1990: “bullying”

“Bullying” é uma ação consciente, premeditada e persistente por parte de um estudante ou grupo de estudantes, designado agressor(es), para um aluno(a) (vítima), causando medo, pressão e terror”. Essa é uma das definições do médico psiquiatra Daniel Sampaio para o anglicismo “bullying”.


Gramática

Havia motivos

O verbo haver no sentido de existir é impessoal, ou seja, ele deve ficar sempre na terceira pessoa do singular; as orações organizadas a partir de um verbo impessoal não apresentam sujeito. Exemplos: Havia motivo para isso? | Havia motivos para isso? | Há muitos impostos neste país.

Nas locuções verbais em que um verbo auxiliar se junta a um verbo impessoal, o auxiliar também fica na terceira pessoa do singular. Exemplo: Pode haver muitas pressões.

Uma observação importante: o verbo existir não é impessoal; portanto, ele deve estabelecer concordância com o sujeito da oração. Exemplos: Havia cinco jogadores profissionais naquele torneio. (oração sem sujeito) | Existiam cinco jogadores profissionais naquele torneio. (sujeito: cinco jogadores profissionais).


Hemorragia de sangue

Essa expressão é pleonástica, ou seja, é redundante. Hemorragia só pode ser de sangue. A palavra é formada por dois elementos: hemo (sangue) + ragia (derramamento); literalmente, a palavra hemorragia significa “derramamento de sangue”.


Hidroelétrica / hidrelétrica

O VOLP (Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa) registra as duas grafias. No caso de hidroelétrica, a palavra foi formada pela junção dos elementos hidro + elétrica sem alteração dos elementos que compõem (composição por justaposição); por outro lado, hidrelétrica apresenta alteração em um dos elementos: hidr(o) + elétrica (composição por aglutinação). Hidrelétrica tem sido a forma de uso mais comum.


Dica de livro

É a vez da literatura infantil, Graciliano Ramos, em “A terra dos meninos pelados” (1939), trata de questões delicadas da infância, como a discriminação. O livro conta a história do menino Raimundo, com um olho azul e o outro preto e careca. Por ser diferente, é ridicularizado pelos colegas, impedindo-o de ter amigos. Isolado, conversa sozinho. Um dia, fugindo do bullying, vai parar em uma terra diferente, chamada Tatipirun. Lá, descobre que os habitantes também têm a cabeça pelada e os olhos azuis e pretos. Conversa com objetos, animais e plantas, e percebe como é possível conviver harmoniosamente com os diferentes, por meio da empatia. A obra recebeu o prêmio de Literatura Infantil do Ministério da Educação e Cultura (MEC). Os capítulos são breves facilitando a leitura.

Falando em letras - 13/03/2020

Curiosidade

Palavras que não usávamos nos anos 1990: “reciclagem”

É o “tratamento de resíduos ou matérias usadas de maneira a poderem ser reutilizados” ou ainda “atualização pedagógica, cultural, administrativa, científica etc.”. Nem sempre foi assim. E finalmente temos uma palavra que não nos chegou pelo inglês, mas pelo francês “recyclage”. Palavras associadas: “ambiente”, “biodiversidade”, “créditos de carbono”.


Gramática

Guarda-civil, seu plural e palavras com a mesma formação

Na palavra guarda-civil, o plural é guardas-civis, porque, nesse caso, guarda é substantivo (o guarda = o policial) e não uma forma do verbo guardar. Nos substantivos compostos formados de substantivos + adjetivos ambos os elementos devem ir para o plural. Fazem o plural como guarda-civil: guarda-noturno (guardas-noturnos), guarda-florestal (guardas-florestais) etc.


Guarda-roupa, seu plural e palavras com a mesma formação

Na palavra guarda-roupa, o plural é guarda-roupas, porque, nesse caso, guarda é verbo. Nos substantivos compostos formados de verbo + substantivo somente o segundo elemento deve ir para o plural: guarda-chuva (guarda-chuvas), vira-lata (vira-latas), beija-flor (beija-flores) etc.


Há muito tempo atrás...

Essa construção é pleonástica, redundante. O verbo haver, referindo-se a tempo, dispensa o advérbio atrás porque sempre indica tempo passado. Escreva simplesmente: há muito tempo...


Dica de livro

Escrito por Raduan Nassar, um dos autores mais importantes da nossa literatura, “Um copo de cólera” traz um personagem que narra o acontecimento de uma manhã qualquer, depois de uma noite de amor, quando a aparente harmonia entre ele, um fazendeiro mais velho e recluso da cidade, e sua parceira, uma jornalista mais jovem e toda moderna vivendo na cidade, se rompe de repente, tudo por causa de uma cena que tira da normalidade a sanidade do narrador: um formigueiro destrói parte da cerca de sua propriedade.

Com uma narrativa tensa, contundente, a linguagem literária da obra alcança uma intensidade e uma vibração que fazem desse texto uma obra singular da literatura brasileira, um clássico dos nossos tempos. “Um copo de cólera” é uma metáfora para a época da ditadura, representada pela tensão entre o narrador e sua companheira e a linguagem literária utilizada pelo o autor para construir sua narrativa.

Falando em letras - 06/03/2020

Curiosidade

Palavras que não usávamos nos anos 1990: “carregador”

Se antes era um “homem que, em estações ferroviárias ou rodoviárias, aeroportos ou hotéis” se encarregava de “transportar malas ou outros volumes”; agora, usamos a palavra vulgarmente para nos referirmos ao “aparelho que se liga à corrente elétrica e permite recarregar baterias ou pilhas”. Passamos a vida a pedi-lo emprestado para recarregar nossos telefones celulares.


Gramática

Greco

Greco é a forma reduzida que se emprega como primeiro elemento nos adjetivos compostos para designar grego. Exemplo: tratado greco-brasileiro (tratado entre a Grécia e o Brasil).


Greve / locaute

Greve é palavra originária do francês e deve ser empregada para designar a recusa de operários, funcionários, enfim, de empregados, de comparecer aos postos de trabalho, enquanto não forem atendidas algumas reivindicações. Antigamente, em vez de greve, utiliza-se a palavra parede, daí chamar movimento grevista de movimento paredista. Locaute (do inglês lockout) é paralisação de atividades por parte de patrões, enquanto não se chega à solução de problemas pendentes. Com relação à paralisação de estudantes, emprega-se também a palavra greve.


Grosso modo

Trata-se de uma expressão latina em que não existe o A. Portanto, grosso modo e não a grosso modo. Significa “impreciso”, “aproximadamente”, “grosseiramente”.


Dica de livro


“Lavoura arcaica”, de Raduan Nassar, é uma obra na qual se entrelaçam o novelesco e o lírico, por meio de um narrador em primeira pessoa, André, o filho encarregado de revelar o avesso de sua própria imagem e, consequentemente, o avesso da imagem de uma família. O autor se destacou nesta obra por ser considerada pela crítica uma aventura com a linguagem. Explicamos: além de fundar a narrativa, a linguagem é também o instrumento que, com seu rigor, desorganiza um outro rigor, o das verdades pensadas como irremovíveis. O livro foi lançado em dezembro de 1975, e imediatamente entrou no hall dos textos clássicos da literatura, como “uma revelação, dessas que marcam a história da nossa prosa narrativa”, segundo afirma o professor e crítico Alfredo Bosi. O caos linguístico que o autor nos insere por meio da verborragia do narrador nos transporta para um mundo repleto de questionamentos sobre tradições, meios de vida, pontos de vista etc. Uma leitura singular e necessárias nos tempos atuais.

Falando em letras - 28/02/2020

Curiosidade

Figadal

De uma pessoa a que se tem sentimento de hostilidade muito profundo dizemos ser um inimigo figadal (e não inimigo fidagal). Esse adjetivo provém de fígado, órgão que, para os antigos, era responsável pelos sentimentos de ira, de ódio.


Gramática

Grama (O/A)

Quando significa unidade de massa, é substantivo masculino derivado do grego: o grama. Exemplos: Comprou duzentos gramas de queijo e trezentos de presunto. | A cotação do grama do ouro despencou na Bolsa de Mercadoria & Futuros. Quando significa “relva”, “capim”, é substantivo feminino derivado do latim: a grama. Exemplo: O jardineiro cuidava da grama do jardim.


Grandessíssimo

O superlativo absoluto sintético de grande é grandíssimo. No entanto, na linguagem coloquial (informal), é muito usada a forma grandessíssimo. Preste atenção para a escrita: grandessíssimo e não grandissíssimo.


Gratuito

Preste muita atenção com essa palavra: a sílaba tônica (a mais forte) é a TUI (gra-TUI-to) e não o i como é comum se ouvir. A mesma regra vale para outras palavras pronunciadas de forma inadequada no dia a dia, como: for-TUI-to, in-TUI-to e FLUI-do, em que a sílaba forte é o U.


Dica de livro


“O Quinze” é o primeiro e mais popular romance de Rachel de Queiroz. A história se dá em dois planos: um traz o vaqueiro Chico Bento e sua família; o outro, a relação afetiva entre Vicente, rude proprietário e criador de gado, e Conceição, sua prima culta e professora. Conceição é uma moça amante dos livros e com tendências feministas e socialistas. Ela passa o período de férias na fazenda da família com a avó Mãe Nácia. Com a seca, a família de Mãe Nácia decide ir para cidade e deixar Vicente cuidando de tudo. No segundo plano, Rachel traz a marcha do vaqueiro Chico Bento com sua mulher e seus filhos. Ele é forçado a abandonar a fazenda onde trabalhava, rumando para o Norte, onde há a extração da borracha. O filho mais novo morre envenenado e o mais velho desaparece. Depois são reconhecidos por Conceição, que os ajuda. Rachel conseguiu exprimir os anseios e as angústias da sua região brasileira.